Crise? Qual crise?

Fevereiro 12, 2008 Vice

Ora então aqui fica mais uma informação relativa à 'República das Bananas'. A ser verdade, é à portuguesa...

 

"A VERDADE
Newsletter de informação
Nº 3 ­ Janeiro / 2008

Editorial: Crise? Qual crise?

Imagine que tinha conseguido um emprego em que lhe pagavam um salário de 300.000,00 € por ano, lhe atribuíam um potente BMW 530D com motorista para passear, e o Estado ainda lhe concedia crédito bonificado para comprar casa! Era caso para perguntar: Crise? Qual crise?

Perguntará o leitor onde é que existem empregos desses. Pois a verdade é que esses empregos existem mesmo. Aqui em Portugal! Enquanto a maioria aperta o cinto, um pequeno grupo de privilegiados consegue levar uma autêntica vida de nababo!

Este número d’A VERDADE vai-lhe revelar quem são, o que fazem, e quem paga os salários destes portugueses.

Pagos a peso de ouro!

O Banco de Portugal

Fig. 1 ­ Filial do Banco de Portugal na Praça da Liberdade, no Porto.

História e funções

O Banco de Portugal é o banco central da República Portuguesa. Foi fundado em 19 de Novembro de 1846, em Lisboa, onde é a sua sede. Surgiu da fusão do Banco de Lisboa e da Companhia Confiança Nacional. Fundado com o estatuto de sociedade anónima, até à sua nacionalização, em 1974, era maioritariamente privado.

Foi o banco emissor de notas denominadas na moeda nacional ­ o real até 1911, o escudo de 1911 até 1998 e o euro desde 1999. Integra o Sistema Europeu de Bancos Centrais que foi fundado em Junho de 1998.

De acordo com a sua Lei Orgânica, o Banco de Portugal prossegue os objectivos e participa no desempenho das atribuições cometidas ao SEBC.

Compete ao Banco a supervisão prudencial das instituições de crédito e das sociedades financeiras.

O Banco emite notas de euro e põe em circulação as moedas etálicas, embora o BCE detenha o direito exclusivo de autorizar a sua emissão.

Compete-lhe ainda regular, fiscalizar e promover o bom funcionamento dos sistemas de pagamentos, gerir as disponibilidades externas do País e agir como intermediário das relações monetárias internacionais do Estado, bem como aconselhar o Governo nos domínios económico e financeiro.

Cabe ao Banco a recolha e elaboração das estatísticas monetárias, financeiras, cambiais e da balança de pagamentos.

>> Seguinte >>